Animação auxilia pais de todo mundo sobre educação LGBT. Vale a pena ver!

Assunto tratado muitas vezes (ainda), como tabu ou ignorado dentro de nossa sociedade atual, ganha cada vez mais força e defensores para que a comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) seja aceita e respeitada entendendo que os adeptos LGBT são seres humanos livres e com direitos de escolha sobre a sua sexualidade.

Nos EUA, dois estudantes de animação, Beth David e Esteban Bravo, desejavam criar um desenho que pudessem ter visto quando crianças, quando os sentimentos e emoções começaram a aflorar, então idealizaram primeiramente uma animação que originalmente tinha um menino e uma menina como personagens principais.

Porém, para os autores, o filme não tinha essência e não era mais compatível com a realidade atual e a educação da nova geração. A ideia ganhou corpo e virou um curta intitulado, “ In a Heartbeat”, que em um único dia de publicação alcançou a marca de 2,4 milhões de visualizações.

O Legal é que o curta disponível no Youtube, não tem diálogo, apenas apresenta os sentimentos  de um garoto em idade escolar  que é preso por seu próprio coração, que sai do peito para perseguir outro colega de escola, sobre quem o menino tem uma paixão.

O enredo do filme segue o menino enquanto ele tenta conter seu coração e as emoções que são comuns quando a paixão surge.

Os autores relatam ainda: “Os temas LGBT são, claro, frente e centro do nosso trabalho, mas, em última análise, é uma história sobre uma paixão”, disse David. “Isso é algo que quase todo mundo experimentou e pode entender – que é o tipo de ponto que estávamos tentando fazer, que todos, mesmo crianças gays, passam por isso”.

David e Bravo disseram que contar a história de “In a Heartbeat” foi um equilíbrio delicado entre tocar em emoções que podem ser completamente universais para todos, ao mesmo tempo em que destacam experiências que podem ser específicas e exclusivas para os adolescentes LGBTQ que estão desenvolvendo sua primeira paixão.

Gostou da matéria? Compartilhe!